BBC News Brasil

Síndrome de Guillain-Barré pode paralisar músculos
BBC News Brasil
Síndrome de Guillain-Barré pode paralisar músculos


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta sobre  casos raros da síndrome de Guillain-Barré (SGB) após a vacinação contra covid-19. Segundo comunicado divulgado na quarta-feira passada (28), foram 34 notificações de casos suspeitos: 27 com a vacina da AstraZeneca, quatro com a CoronaVac e três com a da Janssen.

O aviso pode ter deixado muitos brasileiros preocupados, mas a agência reforçou que isso não deve ser considerado motivo para as pessoas não se vacinarem.

"É importante destacar que a Anvisa mantém a recomendação pela continuidade da vacinação com todas as vacinas contra Covid-19 aprovadas pela agência, dentro das indicações descritas em bula, uma vez que, até o momento, os benefícios das vacinas superam os riscos", informou a Anvisa.

Além de raros, episódios de SGB pós-vacinação também foram registrados em outros países. Além disso, já são conhecidos e relacionados a outros imunizantes, como o da influenza (gripe).

Mas o que é a síndrome de Guillain-Barré?

A SGB é um distúrbio neurológico autoimune raro (com um a dois casos por 100 mil pessoas por ano), no qual o sistema imunológico danifica as células nervosas. Sua causa é desconhecida.

A síndrome é assim denominada em homenagem aos neurologistas franceses Georges Guillain e Jean Alexandre Barré, os primeiros a descrever a doença em conjunto com André Strohl em 1916.

Segundo a Anvisa, a maioria das pessoas se recupera totalmente do distúrbio. Em todo o mundo, cerca de 7,5% dos casos resultam em morte.

Você viu?

"O principal risco provocado pela síndrome é quando ocorre o acometimento dos músculos respiratórios. Nesse último caso, a SGB pode levar à morte, caso não sejam adotadas as medidas adequadas", alertou a agência.

Segundo a Anvisa, os sintomas iniciais da SGB na maior parte dos pacientes são sensação de dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores (pés e pernas) e, em seguida, superiores (mãos e braços).

Normalmente, desenvolvem-se ao longo de um intervalo de algumas horas a algumas semanas.

Outra característica percebida em pelo menos 50% dos casos é a presença de dor neuropática (provocada por lesão no sistema nervoso) lombar ou nas pernas.

Fraqueza progressiva é o sinal mais perceptível, ocorrendo geralmente nesta ordem: membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço.

Segundo a médica Natalia Maes, do serviço nacional de saúde do Reino Unido (NHS, o SUS britânico), a SGB é uma "reação imune do organismo que pode acontecer após diversas infecções (principalmente respiratórias ou gastrointestinais) e variadas vacinas", assinala.

Foi que aconteceu, por exemplo, durante a epidemia de zika no Brasil. Em 2016, foram notificados 215.319 casos de zika em território nacional. Naquele ano, houve um incremento de 970 internações por SGB (0,45% do total de casos).

O que fazer?

A Anvisa recomenda que pessoas vacinadas devem procurar atendimento médico imediato se desenvolverem sinais e sintomas sugestivos de SGB, que incluem, ainda, visão dupla ou dificuldade em mover os olhos, dificuldade de engolir, falar ou mastigar.

"Também devem ficar atentas a problemas de coordenação e instabilidade, dificuldade em caminhar, sensações de formigamento nas mãos e pés, fraqueza nos membros, tórax ou rosto, além de problemas com o controle da bexiga e função intestinal", acrescentou a agência.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários