Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
Tony Winston/MS
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde


Segundo Rosana Leite, chefe da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, a pasta foi equivocada ao não enviar doses da Pfizer a São Paulo. O governador  João Doria reclamou, há duas semanas, que o estado recebeu metade das doses previstas pelo governo federal.

Leia: 3ª dose será aplicada nos idosos e profissionais da saúde, diz Queiroga

Você viu?

"Não foi acordado conosco, mas realmente se retirava causando, assim, iniquidade aos outros estados. (…) Nós queríamos que os estados recebessem e nós descontamos da Pfizer. Entendemos que cometemos esse equívoco e devolvemos essas 151 mil doses da Pfizer", explicou, citando que São Paulo retirou doses a mais da Coronavac com o Instituto Butantan.

Já o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que não acredita que o estado tenha retirado as doses com "má-fé", mas considerou fútil o questionamento de Doria.

"Conhecendo o doutor Gorynchtein [secretário de Saúde de SP] e até o Dimas Covas [diretor do Instituto Butantan], descarto qualquer tipo de má-fé. É apenas uma questão de divergência de entendimento. E o que a gente tá falando aqui são milhares de doses, quando, na verdade, nós já distribuímos 200 milhões de doses. Ou seja, todo esse questionamento é por um motivo fútil. Porque é um percentual ínfimo em relação ao que o governo federal já distribuiu. E o compromisso é com cada um dos 210 milhões de brasileiros", disse Queiroga.

Nesta terça-feira (17), ministro do STF (Supremo Tribunal Federal),  Ricardo Lewandowski, determinou que a pasta federal envie todas as doses necessárias para que São Paulo complete o esquema vacinal da população que já tomou a primeira dose. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários