Imunidade de rebanho é impossível com variante Delta
Reprodução: ACidade ON
Imunidade de rebanho é impossível com variante Delta


variante Delta tornou impossível a imunidade de rebanho para a Covid-19, disseram especialistas das principais universidades europeias ao jornal Folha de S.Paulo. Assim que os primeiros casos da doença surgiram, cientistas calcularam que essa imunidade poderia acontecer quando aproximadamente 70% da população estivesse protegida.

Leia: Estudo sugere eficácia da CoronaVac contra a variante Delta

Inicialmente, os dados disponíveis indicavam que o Sars-Cov-2 passava de um pessoa infectada para mais duas ou três. Essa razão, no entanto, subiu com o aparecimento de novas variantes, principalmente com a Delta. 

"Cada vez que esse número aumenta, sobe também a porcentagem calculada para imunidade de rebanho", afirma Raghib Ali, pesquisador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. A nova cepa, afirma o pesquisador, é capaz de passar de uma pessoa para cerca de seis ou sete outras.

Com essa taxa de contágio, a imunidade de rebanho passaria a ser de cerca de 85% caso a vacina ou a recuperação de um caso de Covid-19 prevenissem completamente as infecções -- o que não é verdade.

Também à Folha, o virologista Jeroen van der Hilst, da Universidade de Hasselt, na Bélgica, considera a chegada da Delta uma "virada de jogo". Isso porque, além de ser mais contagiosa, dados indicam que vacinados podem ser infectados e infectar outros.

Você viu?

"Isso significa que o vírus pode circular em uma comunidade com um grande número de pessoas vacinadas. Com essa noção, temos que concluir que a imunidade de rebanho não é mais possível", afirma van der Hilst.

Outra questão levantada pelos especialistas é a incerteza quanto à duração da proteção da vacinação ou por infecção natural.

Leia: Segunda dose da Pfizer e Astrazeneca são essenciais contra variante Delta

"Imagine que atingimos a imunidade coletiva, mas a defesa das pessoas desaparece completamente dois anos depois. Como a imunidade de rebanho significa apenas que qualquer surto será pequeno e será contido rapidamente, ainda haverá alguma infecção depois desses dois anos. Se a defesa das pessoas diminui, eles se tornam suscetíveis novamente e os surtos podem se espalhar novamente e se tornar perigosos", explica Kevin McConway, professor da Open University, também do Reino Unido.

Fora isso, há ainda a eficácia das vacinas como uma das barreiras para a proteção coletiva. Mesmo que 100% de uma população seja completamente vacinada, a barreira de 85% para se obter imunidade coletiva não seria atingida, já que grande parte dos imunizantes disponíveis não oferecem uma proteção total contra infecções. 

François Balloux, diretor do instituto de genética da UCL de Londres, encoraja que as pessoas se vacinem para proteger a si mesmas, já que os imunizantes são bastante eficazes em evitar mortes pela Covid-19.

"Isso deve acabar com as guerras culturais em torno das vacinas. As pessoas devem ser encorajadas a se vacinarem, mas, no final das contas, o objetivo principal da vacinação agora é proteger a si mesmas, não a outros. Então, viva e deixe viver", afirmou ele em rede social.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários