Depressão atinge 10% da população, mas saúde pública não consegue diagnosticar

Por Maria Fernanda Ziegler - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Especialistas apontam falta de acesso ao tratamento e oferta adequada de antidepressivos; o orçamento destinado para a saúde mental reduziu nos últimos dez anos

A depressão tem a incidência na população igual ao diabetes (10%), porém o sistema público de saúde ainda não está preparado para oferecer atendimento de qualidade e gratuito. Estudo realizado na cidade de São Paulo mostrou que apenas um terço das pessoas com transtornos mentais severos – como a depressão grave, que pode levar ao suicídio – recebe o tratamento devido. Especialistas ouvidos pelo iG são unânimes em dizer que falta acesso ao tratamento e oferta adequada de medicamento.

Leia também: 
Índice de transtorno de ansiedade e depressão em SP é igual a de país em guerra

Thinkstock
Depressão: um terço dos pacientes não responde ao tratamento com remédio

De acordo com dados da Associação Brasileira de Psiquiatria, em 2004, 6,3% do orçamento de Saúde era destinado para saúde mental, hoje, dez anos depois, corresponde a 1,8%. O Brasil tem um programa de governo para o combate de DST/Aids, mas não há um programa de prevenção a doenças mentais. “Basta comparar os casos de morte por Aids e os casos de morte por suicídio para ver se isso faz sentido”, afirma Antônio Geraldo da  Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria. No Brasil, em 2013, morreram 15 mil pessoas por Aids. Todos os anos são notificados 10 mil casos por ano de suicídio. Vale ressaltar que cerca de 90% dos casos de suicídio estão relacionados com depressão grave. 

Preconceito: 'Ninguém leva minha depressão a sério'

No Brasil, a prevalência de depressão é de 25% da população (estimativa de quem teve, tem ou terá depressão) e 10% sofrem do mal atualmente. “Existem casos muito simples de depressão, que podem ser tratados por um clínico geral ou médico da família em postos de saúde, e outros mais complexos, que precisam de atenção especializada em um centro de referência”, disse Marcelo Fleck,  psiquiatra e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Fleck afirma que os casos de depressão podem ser divididos em três níveis: o primeiro seria o mais leve e com possibilidade de tratamento psicossocial no posto de saúde e pelo clínico geral; o segundo, mais grave e com necessidade de tratamento medicamentoso orientado também pelo clínico geral; apenas o terceiro nível, gravíssimo e com risco de suicídio, deveria ser encaminhado para centros especializados e de referência.

O problema é que o sistema básico – que seria responsável por mapear o primeiro e o segundo níveis – não está preparado. "Eu dou estes treinamentos e os meus alunos, que atuam como clínicos na rede pública, dizem que não se sentem preparados para diagnosticar a depressão”, afirma Wang Yuan Pang, pesquisador do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo e coordenador da pesquisa São Paulo Megacity Mental Health Survey, que gerou para o relatório internacional os dados relativos à Grande São Paulo.

Leia mais: 
Suicídio de pai ou mãe é forte como um abuso, mas criança deve saber a verdade

Sem diagnósitco, muita gente volta para casa sem saber que precisa se tratar de uma doença mental. O resultado é um ônus altíssimo para o sistema de saúde e para a sociedade, como número de dias de trabalho perdidos e custos investidos em doenças secundárias relacionadas com a depressão, como diabetes e problemas cardiovasculares. “A depressão só perde para as doenças cardiovasculares no que se refere ao ônus para a sociedade. Não que as outras áreas não sejam importantes também, mas a psiquiatria não recebe muita atenção, seja em orçamento ou em programas", afirma Andrea Feijó Mello, médica responsável pelo Ambulatório de Estresse e Depressão da Unifesp, em São Paulo.

Andrea concorda que é preciso um maior treinamento em psiquiatria para o atendimento básico. “Outro problema é que o médico é sobrecarregado. O sistema público preconiza que ele atenda um paciente a cada 15 minutos e para casos de depressão precisa de mais tempo que isso para avaliar o paciente. Até porque, na maioria das vezes, o paciente apresenta queixas físicas, como dor de cabeça, cansaço e não os sentimentos, como desânimo, falta de vitalidade”, afirma.

No Brasil, existem 1.891 centros de atenção psicossocial (Caps) que fazem o atendimento de pessoas com depressão e outros transtornos mentais. De acordo com o Ministério da Saúde, os Caps tem equipes multiprofissionais e transdisciplinares que realizam o atendimento a "usuários com transtormos mentais graves e persistentes, a pessoas com sofrimento e/ou transtornos mentais em geral".

"Eu sempre pergunto no Ministério da Saúde por que, em vez de criar vários centros espécíficos para doenças mentais, não ter um psiquiatra ou profissional habilitado para tratar transtornos mentais em cada posto de saúde?", argumenta Silva. 

Leia tudo sobre: depressãosuicídiosaúde mental

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas