O risco da aposentadoria precoce da camisinha

Especialistas temem negligência com o preservativo por causa dos novos avanços no tratamento contra o HIV

Fernanda Aranda , iG São Paulo | - Atualizada às

Getty Images
Médicos reforçam a importância da camisinha

A jovem que abandona a camisinha por confiar no parceiro fixo, após três semanas completas de relação. O idoso que não pensa em proteção na hora “h”, já que o preservativo pode falir a potência. O adulto que exagera no álcool e transa, desprotegido, seja com outro homem ou com mulher.

Saiba tudo sobre a aids, as formas de contágio e a prevenção

Aids está no baile da terceira idade e na balada gay

Os especialistas temem que este grupo heterogêneo - que negligencia o sexo seguro - ganhe mais membros. Atualmente, já é numerosa parcela que admite não usar camisinha em todas as relações sexuais – 60%, segundo o último estudo do Ministério da Saúde.

O receio é que o comportamento de risco aumente, caso as informações recentes sobre os avanços do tratamento contra o vírus HIV sejam mal interpretadas pela população. Estas novidades e seus impactos no abandono do preservativo, inclusive, estão sendo discutidos por experts do mundo todo na Conferência Mundial de Aids, que acontece em Washington (EUA), até a próxima sexta-feira.  

“A cautela é porque já enfrentamos isso antes”, afirma a especialista em marketing social do preservativo e fundadora do Instituto Cultural Barong, Marta McBritton, que organiza caravanas pelo Brasil todo para distribuir camisinhas e explicar como usá-las.

“Há vinte anos, quando a ciência falou, pela primeira vez, que tinha encontrado um caminho para uma vacina preventiva ao HIV, imediatamente sentimos um impacto. Nossos stands de distribuição de preservativos ficaram vazios no dia seguinte da notícia. Na época, precisamos reforçar as campanhas, começar do zero novamente.”

Por este motivo, simultaneamente ao anúncio de duas novidades no mundo da aids, o alerta sobre a necessidade de uma nova ofensiva em prol camisinha foi acendido.

Nesta semana, foi anunciado o avanço na produção de uma vacina protetora ao HIV . Além disso, os EUA autorizaram o comércio de um medicamento (chamado Truvada) que pode ser tomado antes da exposição ao sexo para diminuir o risco de infecção do vírus da aids (por ora, a droga não tem autorização comercial para este fim no Brasil).

As novidades da aids

EUA aprovam medicamento preventivo da aids

Cientistas dizem que vacina da aids está próxima

Ronaldo Hallal, coordenador da área de Cuidado e Qualidade de Vida do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde diz que as duas novidades são muito bem-vindas, mas que ainda são carregadas de dúvidas e lacunas sobre a eficácia.

Decretar a aposentadoria precoce da camisinha neste contexto, alerta ele, é aumentar o risco de contaminação de uma doença que já mata 33 pessoas por dia no País .

As lacunas

“As pesquisas que embasaram a aprovação do Truvada pelo FDA (agência norte-americana responsável pela regulação de medicamentos) foram feitas com um grupo restrito de pacientes”, pondera Hallal. Além disso, complementa o coordenador, ainda não é possível mensurar os efeitos colaterais após um longo período de uso.

Descobridores do vírus da aids lembram da odisseia

Não é certo também como será o comportamento do usuário do Truvada. Mesmo quando todas as orientações são seguidas à risca, a proteção chega na casa dos 70%. Falhas na adesão, como esquecimento de comprimidos (que devem ser tomados diariamente), podem diminuir ainda mais este índice e esta interferência ainda não foi mensurada.

“Sem contar que outras doenças sexualmente transmissíveis, como HPV e sífilis, não são cobertas por este medicamento. Tudo isso faz com que a camisinha permaneça como estratégia mais segura para a prevenção da aids”, afirma Ronaldo Hallal.

Sobre as vacinas, os estudos ainda estão em andamento sem dados conclusivos. Doses, público alvo e previsão de que estejam nos postos de saúde são perguntas sem respostas sobre a imunização.

Doença complicada

A epidemia de aids completou 30 anos de existência . Neste período, a evolução no tratamento mudou a cara da doença. O vírus HIV não é tão letal como foi na década de 80 – e fazia com que Marta McBritton enfrentasse um enterro por semana de amigos contaminados (motivo que a levou em ser ativista e estudiosa das técnicas preventivas).Mas está longe de ser um problema de saúde simples.

“A aids não é mais uma sentença de morte, mas não é nada tranquila. No Estado de São Paulo, são 9 mortes diárias. São muitos efeitos colaterais e não é para todos eles que temos a solução”, alerta a coordenadora do Centro de Referência e Treinamento em DST e Aids do Estado de São Paulo, Maria Clara Gianna.

O último relatório da ONU mostra que, atualmente, 34,2 milhões de pessoas vivem com o vírus da aids no mundo. Não querer que este contingente seja ampliado, reforça Maria Clara, não é inflar o preconceito contra quem acabou infectado.

Além de estar mais controlada, a aids também mostrou nestes últimos anos que pode colocar qualquer pessoa no alvo, basta ter relação sexual sem camisinha.

Eles vivem com aids. Leia as histórias:

Arquivo pessoal
José Rayan leva uma vida regrada, mas sem privações. "Nunca quis a carapuça de coitadinho", diz ele que nasceu com aids


Rayan já nasceu com o vírus e hoje se preocupa com o futuro dos soropositivos








Amana Salles/Fotoarena
Estrangeiros deixam países de origem para tratar aids no Brasil. Na foto, Maurício que morava no Japão


Mauro deixou o Japão para tratar aids no Brasil









Divulgação
Carina Penha descobriu o HIV aos 24 anos e só tinha tido um namorado


Carina Penha contraiu o HIV do primeiro namorado








(Arquivo Pessoal)
Em família: Bia e os quatro filhos reunidos no último Natal


Bia é mulher, avó e HIV positivo

    Leia tudo sobre: aidshivcamisinhatruvada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG