Minha Saúde

enhanced by Google
 

Bactéria intestinal é mais perigosa para crianças e idosos

Responsável por um surto na Alemanha, E. Coli Enterohemorrágica pode causar falência renal

iG São Paulo | 30/05/2011 16:26

Compartilhar:

A bactéria E. Coli Enterohemorrágica, responsável pela morte de pelo menos 13 pessoas na Alemanha, é uma variação mais agressiva de uma bactéria comumente encontrada no trato gastrointestinal.

“Em nosso organismo, ela contribui com o processo digestivo. Mas existem variações patogênicas, que provocam doenças”, esclarece a infectologista Lígia Raquel Brito, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

A variação encontrada na Europa é identificada por cientistas como O157:H7. “Essa cepa (tipo) pode provocar sangramento intestinal, falência renal e morte”, alerta a infectologista Fabiana Siroma, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas.

Os casos mais graves geralmente são registrados em crianças menores de 5 anos, em idosos ou em pessoas com a saúde fragilizada por alguma outra doença.

“Em pessoas saudáveis, a bactéria provoca diarreia e pode ser tratada de forma sintomática, com medicações e hidratação”, afirma Fabiana.

Já nos pacientes de risco, o tratamento requer uso de antibióticos. Na Alemanha, o Instituto de Medicina de Hannover afirmou que o tratamento com o anticorpo Eculizumab, está dando resultados positivos.

“O Eculizumab é um anticorpo monoclonal normalmente usado contra doenças sanguíneas, mas que já se mostrou eficiente também contra a bactéria”, esclarece a médica do Emílio Ribas. Ela explica também que tal estratégia terapêutica não costuma ser adotada no Brasil, embora possa ser aplicada.

A transmissão da bactéria acontece por alimentos contaminados. No Brasil, já houve registro de casos após a ingestão de carne mal passada. “Para evitar, o ideal é ingerir apenas carnes bem passadas e lavar verduras e legumes com solução de água com hipoclorito”, recomenda Fabiana. O hipoclorito é comercializado em supermercados.

A letalidade da bactéria, segundo Lígia, fica entre 3% e 5%. “Em crianças pequenas, é importante estar atento para o risco da bactéria prejudicar os rins. Ela é uma causa comum de insuficiência renal aguda”, alerta a médica.

Enquanto o surto não tem sua origem identificada, os especialistas recomendam a quem for viajar que evite a ingestão de carnes mal passadas e de verduras e legumes sem procedência desconhecida.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo