Minha Saúde

enhanced by Google
 

Medicamento para tratar diabetes é contraindicado para emagrecer

Riscos à saúde da liraglutida vão de hipoglicemia e cefaleia a tontura e infecção do trato respiratório, alertam médicos

Yara Achôa, iG São Paulo | 06/09/2011 10:45

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar

Não existe milagre: as medidas se reduzem com adoção de hábitos saudáveis

Sem suar a camisa e sem equilibrar a dieta não há como perder peso de forma saudável. Essa é a premissa básica das sociedades médicas internacionais. Mas sempre há quem queira pegar um atalho e emagrecer com fórmulas mágicas.

Faça a coisa certa:
Programa saudável de dieta
Programa de exercícios

A “poção” da vez atende pelo nome de liraglutida (cujo nome comercial é Victoza), um medicamento para o tratamento do diabetes tipo 2, que virou objeto de desejo para quem sonha perder quatro, seis, oito, 10 quilos sem fazer força.

Vale esclarecer que a droga usada para o tratamento do diabetes tipo 2 é eficiente. Funciona assim: no paciente diabético, a insulina produzida pelas células do pâncreas não é suficiente ou não age de modo adequado no organismo, provocando o aumento da quantidade de açúcar no sangue.

O remédio, além de auxiliar o controle glicêmico, proporciona outros benefícios combinados como perda de peso, redução na pressão arterial sistólica e melhora da função das células beta, responsáveis por sintetizar e secretar a insulina.

Siga o iG Saúde no Twitter

A liraglutida promove a perda de peso (média de 3 kg ao mês) pelo fato de retardar o esvaziamento gástrico e aumentar a sensação de saciedade após as refeições.

“Liraglutida é um análogo de GLP-1, hormônio natural produzido pelo intestino que colabora para o metabolismo normal da glicose como outros hormônios pancreáticos e gastrointestinais como a insulina, o glucagon, a amilina. O medicamento, indicado na bula para pacientes diabéticos do tipo 2, age no pâncreas estimulando a liberação de insulina apenas quando os níveis de açúcar no sangue estão altos”, explica Marcelo Freire, diretor médico do laboratório Novo Nordisk, que produz o Victoza.

Aplicada uma vez ao dia, por meio de uma caneta de injeção subcutânea, no horário mais conveniente para o paciente, proporciona comodidade ao paciente diabético, estimulando a adesão ao tratamento.

“O que não pode acontecer é a banalização do uso do medicamento. Não faz sentido prescrever a liraglutida com a finalidade de emagrecimento rápido. Vai contra tudo o que sempre pregamos, que é a manutenção da saúde por meio de atividade física regular e alimentação balanceada”, adverte o endocrinologista e médico do esporte Ronaldo Arkader, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.

Leia também: Fome emocional: deixe os sentimentos fora do prato

“Todo tratamento visando perda de peso envolve dieta e exercícios. Trabalhamos a adesão a hábitos saudáveis. Qualquer coisa além disso é acessório. Milagres não existem”, reforça o endocrinologista Ricardo Meirelles, presidente da Comissão de Comunicação Social na Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Os especialistas advertem que todo remédio pode apresentar efeitos colaterais, mesmo para pacientes aos quais ele é indicado. Entre as reações que o liraglutida pode provocar, Arkader cita prisão de ventre, hipoglicemia, cefaleia, tontura, infecção do trato aéreo respiratório (rinite, sinusite), infecção do trato urinário, dor nas costas, dor de estômago e inchaço ou vermelhidão no local da injeção.

Primeiros socorros: como agir em caso de intoxicação por medicamentos

Para perda de peso com finalidade estética – aqueles dois ou quatro incômodos quilinhos – a liraglutida é contraindicada. Mas há pesquisas em andamento com pacientes obesos (com IMC acima de 30) e não diabéticos.

“Esses estudos multicêntricos já foram citados pelo Lancet e Internacional Journal of Obesity, porém ainda não existe uma autorização para o uso do medicamento para emagrecimento. Ao final desses trabalhos, vamos avaliar os resultados, analisar os ricos e benefícios, e submetê-los às agências regulatórias do mundo todo”, diz Freire.

Leia histórias de emagrecimento de sucesso:
Perdi 20kg sem cirurgia ou remédio e virei personal trainer
Patricia emagreceu 50kg em um ano
Ela perdeu 30kg sem cirurgia e hoje usa calça 38

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


45 Comentários |

Comente
  • Ricardo Brotas | 01/10/2011 19:23

    Sou nutricionista. Ainda bem que existem profissionais como o Dr Arkader que não se deixam levar pela mídia e pelos laboratórios.

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • Ricardo | 08/09/2011 14:06

    Estamos diante de mais um medicamento, ou seja, um produto que deve ser usado por pessoas que possuem algum problema de saúde. No entanto, como vivemos na era da high tech, onde tudo deve ser conseguido com rapidez, nos defrontamos com mais uma "BOMBA" que cedo ou tarde irá detonar a saúde dos incautos que sofrem de uma "doença" que se chama "PREGUIÇA" e que pode ser curada com um coquetel simples, que combina inteligência e disciplina. É sabido por toda a comunidade que tem um mínino de informação que comer com qualidade e se exercitar com regularidade, além de ser uma grande aventura pessoal, trará benefícios muito maiores e de longo prazo. Então coloca o tênis e pé na estrada!

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • sergio | 07/09/2011 22:00

    meu nome e sergio, fiz uso do victoza no final de 2010 , atraves do meu endocrinologista, produto vindo da frança , nao senti nenhuma reação adversa, no inicio do tratamento perdi peso nos dois primeiros meses , pois nao sentia fome e consequentemente reduzi a ingestão de alimentos , a partir do terceiro mes parecia que o medicamento nao tinha mais efeito, apos tentar todos os medicamentos possiveis e viver com o famoso efeito sanfona, resolvi mudar atraves de uma redução de estomago sem desvio intestinal, isso a 5 meses perdi 35 kls faço academia diariamente, e realmente minha saude e auto estima estao muito melhor , nao que ache que esse seja o caminho para todos , mais no meu caso foi , de qualquer forma so existe uma forma ingerir menos e gastar mais calorias abc e sorte a todos

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • Tia | 07/09/2011 17:29

    Existe um problema sério entre jornalistas, alguns profissionais de saúde e parte do público em geral. Eles entendem a obesidade como algo ligado a "força de vontade", basta ter e "pluft" como mágica a pessoa perde peso.Segundo eles é "só" comer menos e se exercitar bem. Acho que pensam naqueles dois quilinhos que perderam se preparando para o verão e acham que é fácil.\nObesidade (não sobrepeso) acarretam problemas físicos e psicológicos reais. Ás vezes relacionados a tireóide, ás vezes pq o metabolismo é muito lento, mas o resultado final é que não perdem peso com a mesma facilidade que todo mundo. E muitas vezes por causa de coluna,articulações ou coração, simplesmente não podem se exercitar da mesma maneira que você.\n\nObesidade é uma doença, por isso a necessidade de remédios como esse. \n Aspirina pode ter efeitos colaterais se mal usada, até agua se tomada em excesso mata... E

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • Paulo de Tarso de Moraes Souza | 07/09/2011 17:15

    Gente esta "estória" de que existe remédio que faz o milagre do emagrecimento ou que acaba com o diabete é pura ilusão. Sou diabético tipo 2,já pesei mais de 100 quilos e tive problemas coronarianos que me obrigaram a ter que me operar( duas pontes de safenas e uma mamária).Posso assegurar, com toda convicção, que sem exercícios e sem mudanças de hábitos alimentares acompanhados por endocrinologista e nutricionista é muito difícil perder peso e controlar a taxa de glicemia.Perdi mais de 20 quilos após meses de exercício e de rigorosa dieta alimentar.Se fosse esperar pelos remédios que fazem milagre ainda estaria com mais de 100 quilos e com as taxas mais elevadas...

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • MANOEL | 07/09/2011 15:39

    PERDI 28 KILOS EM 10 MESES SEM FAZER DIETA,ISTO PORQUE O MEU EMAGRECIM ENTO FOI PROPRIO DA DIABETES NO MOMENTO JA RECUPEREI 13 KILOS SEM SUPER \nALIMENTAÇÃO OU COISA PARECIDA SO NAO QUERO VOLTAR PARA 98 KILOS\n\nMANOEL

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • Adelaide | 07/09/2011 10:53

    Creio que todos estão esquecendo que o medicamento foi desenvolvido para o tratamento do DIABETES tipo 2. Só quem é diabético sabe o alento que isso trás...Não queremos emagrecer, queremos melhorar nossa qualidade de vida... Quer emagrecer? Faça regime, como nós, que não podemos nos dar ao luxo de extravagâncias gastronômicas!!!!!!

    Responder comentário | Denunciar comentário
  • REGIS | 06/09/2011 20:18

    Acho que haverá divergencias e divergencias sobre a liraglutida, principalmente por parte dos médicos endocrinologistas, visto que,a pessoa emagrecendo, logo, logo vão perder seus clientes e a fortuna q os mesmos deixam em seus consultórios............................Portanto......vão COLOCAR milhões de efeitos colaterais nessa descoberta MAGNÍFICA!!!!!!!!! E olha que quem está falando é uma pessoa que nem precisa de usá-lo.

    Responder comentário | Denunciar comentário
    Coveiro | 06/09/2011 23:00

    O fato de ser uma pessoa ""que não precisa usa-lo" não te deixa imune às bobagens que escreve.\nContinue tomando medicação sem prescrição médica que a associação brasileira dos fabricantes de caixões e correlatos agradece....

    Denunciar comentário
  • REGIS | 06/09/2011 20:17

    Acho que haverá divergencias e divergencias sobre a liraglutida, principalmente por parte dos médicos endocrinologistas, visto que,a pessoa emagrecendo, logo, logo vão perder seus clientes e a fortuna q os mesmos deixam em seus consultórios............................Portanto......vão COLOCAR milhões de efeitos colaterais nessa descoberta MAGNÍFICA!!!!!!!!! E olha que quem está falando é uma pessoa que nem precisa de usá-lo.

    Responder comentário | Denunciar comentário
  1. Anterior
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Próxima

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




*Campos obrigatórios

"Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado"

Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo