Tamanho do texto

Alguns alimentos são nocivos à mucosa gástrica. Outros, já ajudam a melhorar a dor. Além disso, controlar o estresse e comer de 3 em 3 horas são excelentes paliativos. Saiba mais sobre o tema

Quem sofre com gastrite sabe: a dor é incômoda, pode atrapalhar o rendimento no trabalho e, às vezes, dependendo do grau do problema, a pessoa sente incômodo mesmo quando come alimentos que, à primeira vista, parecem inofensivos. Porém, para que o problema possa ser eliminado de vez, é necessário identificar os motivos que levam ao seu desenvolvimento.

Leia também: Saiba o que não comer quando se está 'morrendo de fome'

gastrite  acontece porque a camada que reveste o estômago está machucada, ou seja, inflamada. Nesse sentido, a barreira que protege a parede gástrica quebra e, com isso, permite que os sucos digestivos produzidos pelo estômago causem danos ao tecido que o reveste, segundo explica o Dr. Moacir Augusto Dias, gastroenterologista do Seconci-SP.

A gastrite causa desconforto e também dor de estômago
shutterstock
A gastrite causa desconforto e também dor de estômago


Causas da gastriste

Diversos fatores podem desencadear a doença, como má alimentação, estresse do dia a dia, tabagismo e, inclusive, o uso de remédios em excesso, como anti-inflamatórios.  Mas, é a bactéria Helicobacter Pylori – ou H. Pylori – , que acaba sendo um dos principais motivos para o desenvolvimento do problema. E o mais alarmante é que mais de 50% da população mundial pode estar infectada por essa bactéria.

A infecção ocorre geralmente no período da infância e se manifesta na idade adulta, conforme explica a clínica Esadi, de Blumenau, Santa Catarina, em um artigo publicado. A contaminação acontece por meio do consumo de alimentos contaminados, contato com pessoas que tenham o problema e no convívio em locais que não tenham condições sanitárias adequadas.

Geralmente, quem sofre com o problema apresenta  sintomas  como queimação ou dor no abdômen, inchaço na região e arrotos com certa frequência. Podem ocorrer também vômitos, náuseas e perda de peso. De acordo com a clínica Esadi, no entanto, algumas pessoas podem não mostrar nenhum sinal que a bactéria está no organismo.

Como diagnosticar a Helicobacter Pylori ?

Para que ela seja diagnosticada corretamente, é necessário realizar exames, sendo que alguns são mais invasivos que outros. O mais tradicional é a endoscopia digestiva alta, solicitada com um pedido médico. Para realizá-la, o paciente deve estar em jejum por um período de 8 horas (inclusive água) e informar se faz uso de algum medicamento.

Nesse método, um tubo é introduzido pela garganta do paciente sedado, que é colocado deitado e virado do lado esquerdo, para que possa ser possível visualizar o esôfago, o estômago e o duodeno. Imagens são capturadas durante o procedimento e exibidas em uma tela em tempo real. Durante o procedimento, o médico responsável pode aplicar medicações e recolher algum material que será levado, posteriormente, para a biopsia.

A endoscopia permite identificar se a pessoa está com a bactéria responsável pela gastrite no organismo
shutterstock
A endoscopia permite identificar se a pessoa está com a bactéria responsável pela gastrite no organismo


Segundo o Centro Fleury Medicina e Saúde, o exame dura de 10 a 15 minutos. Porém, após a realização, deve-se esperar de 30 a 40 minutos para que o paciente repouse e possa acordar da sedação. Nas horas seguintes, deve-se ingerir alimentos leves e evitar bebidas alcoólicas. Vale destacar que, devido ao uso de sedativo, é necessário que haja um acompanhante.

Com o resultado em mãos, e caso a bactéria seja encontrada, o tratamento será feito com base em antibióticos, para que seja possível erradicá-la. Diante disso, é importante segui-lo à rica e fazer o acompanhamento médico.

Leia também: Mascar chiclete causa dor de estômago? Faz perder a fome? Veja mitos e verdades

Veja atitudes que ajudam a aliviar a dor da gastrite, além de algumas a evitar:



















  • Digestão

Mastigue bem os alimentos, pois a digestão já começa aí. Em um artigo publicado, o Hospital 9 de Julho explica que o ideal é ingeri-los em pequenas porções e não passar longos períodos em jejum. Além disso, o ideal é não ingerir líquidos durante as refeições, mas meia hora antes ou depois.

  • Bebidas alcoólicas

Se quiser que o estômago não reclame, fuja do álcool. Ele irrita a mucosa gástrica, aumenta quantidade de ácido e, como consequência, piora a dor.

  • Tabagismo

Aqui, a dica de ouro é: não fume. O cigarro piora as crises de gastrite porque aumenta a acidez estomacal. Além disso, pode desencadear outras doenças, como o câncer de pulmão.

  • Tempero

Fuja dos temperos industrializados e utilize como opção a sálvia. Ela ajuda a proteger a mucosa do estômago.

  • Exercícios físicos

Pratique alguma atividade física. Manter o corpo em movimento ajuda a controlar o estresse e melhorar a dor. Está sem tempo? Exercícios rápidos de 15 minutos também são bem-vindos. Aproveite para fazer caminhadas e substituir o elevador pela escada.  

  • Refrigerantes

Diga adeus aos refrigerantes. Por serem ácidos, eles só pioram a dor e, além disso, são ricos em açúcar, ingrediente que, quando consumido em excesso, contribui para a obesidade. Se estiver com sede, o ideal é beber um copo de água, líquido que hidrata e mantém o corpo em bom funcionamento.

  • Horários

Coma de 3 em 3 horas, ou seja, faça de 5 a 6 refeições por dia. Ficar com o estômago vazio piora a gastrite. Importante também não pular o café da manhã. E nada de fazer jejum para depois se esbaldar em pratos com grandes quantidades e opções calóricas. Isso também é prejudicial.

  • Alimentos saudáveis

A couve é uma das folhas mais recomendadas para proteger o estômago da queimação. A planta possui ação calmante, cicatrizante e anti-inflamatória e, por isso, pode ser consumida sem preocupação.  A banana e a maça são duas frutas que protegem contra a gastrite.  Vegetais, legumes, ovos cozidos, mel e gelatinas também estão liberados. O mamão, por sua vez, contém uma enzima que facilita a digestão e protege o estômago.

  • Estresse

Trânsito, reuniões de trabalho, prazos. Esses são apenas alguns dos fatores que deixam o corpo tenso. Nesses casos, é necessário respirar fundo e relaxar para não intensificar a dor.

  • Leite

Evite tomar leite quando estiver em crise, pois ele estimula a produção de ácidos no estômago e provoca dor.

  • Iorgute

Tomar iogurte é uma boa pedida. Por conter lactobacilos, ele ajuda a repor a flora, protegendo contra a dor.

  • Chá de alecrim e chá de hortelã

Além de ser um ótimo digestivo, o chá de alecrim combate a ansiedade e é diurético. Vale a pena incluí-lo na dieta. Outra boa opção é o chá de hortelã. Ele ajuda na digestão e minimiza o incômodo causado pela gastrite.

  • Automedicação

Tomar remédios por conta própria e sem a avaliação de um médico especialista é prejudicial à saúde. A medicação feita de forma errada é capaz de ter o efeito inverso ao esperado: no lugar de resolver o problema pode, ainda, causar outras doenças.

  • O que não comer

Segundo o  Hospital 9 de Julho, alguns alimentos devem ser evitados por quem sofre de gastrite, tais como frituras, frutas ácidas, como laranja, maracujá, abacaxi e limão, além de maionese, mostarda, ketchup, molhos prontos e café. Vale deixar de lado também salame, salsicha, presunto, queijo, creme de leite, chocolates e alimentos ricos em gordura. 

Leia também: 10 receitas para quem tem refluxo e gastrite

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.