Minha Saúde

enhanced by Google
 

Alergia a alimentos

Compartilhar:
Conteúdo exclusivo para o iG no Brasil e usado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos

Definição

A alergia a alimentos é uma resposta imunológica desencadeada por ovos, amendoim, leite ou algum outro alimento determinado.

Nomes alternativos

Alergia a alimentos

Causas, incidência e fatores de risco

Normalmente, o sistema imunológico defende o corpo de substâncias possivelmente nocivas, como bactérias, vírus e toxinas. Em algumas pessoas, a resposta imunológica é desencadeada por uma substância que costuma ser inofensiva, como um alimento específico.

A causa das alergias a alimentos está relacionada à produção do corpo de um tipo de substância, chamada de anticorpos imunoglobulina E (IgE), que provoca alergias a um alimento específico.

Embora muitas pessoas apresentem intolerância a alimentos, as alergias a alimentos são menos comuns. Em uma alergia a alimentos real, o sistema imunológico produz anticorpos e histamina em resposta a um alimento específico.

Qualquer alimento pode causar uma reação alérgica, mas alguns alimentos são os principais vilões.

Foto: ADAM

Pirâmide de alimentos

Nas crianças, as alergias a alimentos mais comuns são:

  • Ovos
  • Leite
  • Amendoim
  • Frutos do mar (camarão, caranguejo, lagosta, escargot, mariscos)
  • Soja
  • Frutas secas
  • Trigo

As alergias a alimentos geralmente começam na infância, mas podem ocorrer em qualquer idade. Felizmente, muitas crianças se livrarão das alergias a leite, ovos, trigo e soja quando tiverem cinco anos se evitarem esses alimentos antes dessa idade. As alergias a amendoim, frutas secas e frutos do mar tendem a durar a vida toda.

Em crianças mais velhas e adultos, as alergias a alimentos mais comuns são:

  • Peixe
  • Amendoim
  • Frutos do mar
  • Frutas secas

Aditivos alimentares, como corantes, espessantes e conservantes, raramente causam reações de alergia ou de intolerância.

Uma síndrome alérgica oral pode ocorrer depois de ingerir determinadas frutas ou hortaliças frescas. Os alérgenos nesses alimentos são semelhantes a alguns pólens. Alguns exemplos disso são melão/pólen de tasneira e maçã/pólen de árvore.

Muitos norte-americanos, por exemplo, acreditam ter alergias a alimentos, mas, na realidade, menos de 1% deles possui alergias reais.

Os sintomas da maioria das pessoas são causados por intolerância a alimentos como:

  • Derivados de milho
  • Leite de vaca e derivados do leite (consulte: Intolerância à lactose)
  • Trigo e outros grãos que contêm glúten (consulte: Doença celíaca)

Sintomas

Os sintomas geralmente aparecem imediatamente, em até duas horas depois de comer. Em casos raros, os sintomas podem começar a aparecer horas depois de comer o alimento prejudicial.

Se você apresentar sintomas logo depois de ingerir um alimento específico, é possível que você tenha uma alergia a alimentos. Os principais sintomas são urticária, rouquidão e respiração difícil ou ruidosa.

Outros sintomas que podem ocorrer:

  • Dor abdominal
  • Diarreia
  • Dificuldade para deglutir
  • Irritação na boca, na garganta, nos olhos, na pele ou em qualquer outra região
  • Tontura ou desmaio
  • Congestão nasal
  • Náusea
  • Corrimento nasal
  • Inchaço (angioedema), principalmente nas pálpebras, face, lábios e língua
  • Falta de ar
  • Cólicas estomacais
  • Vômito

Sintomas da síndrome de alergia oral:

  • Irritação nos lábios, língua e garganta
  • Inchaço nos lábios (ocasionalmente)

Exames e testes

Foto: ADAM

Alergias a alimentos

Em reações graves, você pode apresentar pressão baixa e vias respiratórias bloqueadas.

Um exame de sangue ou de pele pode ser feito para identificar níveis de anticorpos elevados (principalmente de IgE) e confirmar se você tem uma alergia.

Com as dietas de eliminação, você evita ingerir o alimento suspeito de causar a alergia até que os sintomas desapareçam. Em seguida, os alimentos são reintroduzidos na dieta para verificar se você desenvolve uma reação alérgica.

Nos testes de provocação (desafio), você é exposto a um alérgeno suspeito de causar uma alergia sob circunstâncias controladas. Eles podem ser aplicados na dieta ou pela inspiração do alérgeno suspeito. Esse tipo de teste pode provocar reações alérgicas graves. O teste de provocação só deve ser realizado por um médico.

Nunca tente causar uma reação deliberadamente ou reintroduzir um alimento na dieta por conta própria. Esses testes só devem ser aplicados com orientação de um médico, principalmente se a sua primeira reação foi grave.

Tratamento

O único tratamento comprovado para uma alergia a alimentos é evitar o alimento. Se você suspeita que você ou os seus filhos são alérgicos a alimentos, consulte um alergologista.

Se você apresenta sintomas em apenas uma região do corpo (por exemplo, uma urticária no queixo após comer o alimento específico), talvez você não precise de tratamento. Os sintomas provavelmente desaparecerão em pouco tempo. Os anti-histamínicos podem aliviar o desconforto. Pomadas suaves podem oferecer um pouco de alívio.

Consulte seu médico se achar que apresentou uma reação alérgica a algum alimento, mesmo que tenha sido apenas uma reação local.

Qualquer pessoa diagnosticada com uma alergia a alimentos deve sempre carregar consigo (e saber como usar) a epinefrina injetável. Se você apresentar qualquer tipo de reação grave ou distribuída por todo o corpo (mesmo que sejam urticárias) depois de comer o alimento que causa alergia, injete a epinefrina. Em seguida, vá para o hospital ou pronto-socorro mais próximo, de preferência em uma ambulância. Procure ajuda médica imediatamente depois de injetar a epinefrina por causa de uma reação a alimentos.

Evolução (prognóstico)

Evitar os alimentos nocivos pode ser fácil se o alimento for incomum ou facilmente identificável. Entretanto, talvez seja necessário restringir bastante a sua dieta, ler atentamente todos os ingredientes nas embalagens dos produtos e fazer perguntas detalhadas quando comer fora de casa.

Complicações

A anafilaxia é uma reação alérgica grave, que ocorre em todo o corpo e pode ser fatal. Embora as pessoas com síndrome de alergia oral raramente sejam acometidas por uma reação anafilática, elas devem perguntar ao médico se precisam carregar consigo a epinefrina injetável.

As alergias a alimentos podem desencadear ou piorar a asma, o eczema e outros distúrbios.

Ligando para o médico

  • Ligue para o número de emergência local, como o 192, se apresentar qualquer reação grave ou distribuída por todo o corpo (principalmente respiração difícil ou ruidosa) depois de ingerir um alimento
  • Se o seu médico receitou epinefrina para as reações graves, injete-a assim que possível, antes mesmo de ligar para o 192. Quanto antes a epinefrina for injetada, melhores serão as suas chances
  • Qualquer pessoa que já teve uma reação alérgica a algum alimento deve ser avaliada por um alergologista

Prevenção

Foto: ADAM

Ler os rótulos dos alimentos

A amamentação pode ajudar a evitar alergias. Fora isso, não existe nenhuma forma conhecida de evitar as alergias a alimentos, exceto esperar mais tempo para introduzir na dieta dos bebês os alimentos que causam alergia, até que o trato gastrointestinal deles esteja mais desenvolvido. O momento certo para isso varia de acordo com o alimento e o bebê.

Depois que uma alergia se manifesta pela primeira vez, ficar atento e evitar o alimento nocivo geralmente impede a ocorrência de novos problemas.

Referências

Lack G. Clinical practice. Food allergy. N Engl J Med. 2008;359:1252-1260.

Chafen JJ, Newberry SJ, Riedl MA, et al. Diagnosing and managing common food allergies: a systematic review. JAMA. 2010 May 12;303(18):1848-56.

Atualizado em 29/6/2010, por: Paula J. Busse, MD, Assistant Professor of Medicine, Division of Clinical Immunology, Mount Sinai School of Medicine, New York, NY. Review provided by VeriMed Healthcare Network. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Medical Director, A.D.A.M., Inc.

Todas as doenças

A A.D.A.M., Inc. é reconhecida pela URAC, também chamada de American Accreditation HealthCare Commission (Comissão de Reconhecimento de Cuidados de Saúde) – www.urac.org. O programa de reconhecimento da URAC é uma auditoria independente com o objetivo de verificar se a A.D.A.M. segue padrões rigorosos de qualidade e responsabilidade. A A.D.A.M. está entre as primeiras empresas a conquistar essa importante distinção para informações e serviços de saúde on-line. Saiba mais sobre a política editorial, o processo editorial e a política de privacidade da A.D.A.M. A empresa é também um membro fundador da Hi-Ethics e segue os princípios da Health on the Net Foundation (Fundação da Saúde na Internet) – www.hon.ch.

As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- 2011 A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.

Ver de novo